Institucional

Nossa História

A ASSOBENS, Associação Brasileira dos Concessionários Mercedes-Benz é a entidade que representa a maior rede de concessionários de caminhões, ônibus e comerciais leves da América Latina. A rede de concessionários Mercedes-Benz esta presente em todos os estados do território nacional. A Assobens tem sua sede própria em São Paulo, e seus objetivos estatutários são:

Nossos objetivos

  • I - agir como órgão de coordenação, defesa, informação, consulta e arbitragem;
  • II - representar seus associados para os fins da Lei n. 6.729, de 28 de novembro de 1979, alterada pela Lei 8.132, de 26 de dezembro de 1990;
  • III - representar seus associados: na celebração de acordos ou contratos coletivos com a DaimlerChrysler do Brasil Ltda, para o fim de regular suas relações comerciais; na celebração ou gestão de acordos ou contratos em geral; e, perante o Poder Público; e,
  • IV - representar ou substituir processualmente seus associados, nos moldes do art. 5o., incisos XXI e LXX, da Constituição Federal, para o fim de propor ações coletivas, de conhecimento ou mandamentais, que tenham por objeto a declaração, a constituição ou a proteção de direitos; e,
  • V - desenvolver e executar projetos que tenham por finalidade aperfeiçoar o desempenho empresarial de seus associados.
Nossa história teve início em 10 de novembro de 1973, dia em que o Conselho de Representantes Regionais, em São Bernardo do Campo, elegeu sua primeira Diretoria Executiva que ficou de preparar um estatuto de regimento interno. Representantes dos concessionários perceberam que ao dialogar com a fábrica traria a todos, muitos resultados positivos. E a partir de então, a associação começou a se organizar, promovendo encontros para discutir idéias, soluções, enfim, tudo o que dizia respeito ao setor.

Facilitando o entendimento entre Fábrica e Rede

Em 27 de novembro do mesmo ano, tendo o salão de convenções do Hilton Hotel como palco, houve a eleição de dois representantes que deveriam compor cada uma das representações regionais junto à diretoria da Mercedes-Benz do Brasil, que desde o primeiro momento incentivou a formação do Conselho de Representantes Regionais para facilitar o entendimento entre a Rede e a Fábrica.

A Conquista da Sede Própria

As reuniões eram realizadas no ambiente da Fábrica até 1975, em março do mesmo ano a montadora alugou uma sala na rua Líbero Badaró, como registra a ata da reunião de concessionários, em 18/03/75. Um ano depois, a associação ganhou força com a aquisição da sede própria, inaugurada em agosto de 1977.

Ganhando, cada vez mais, confiança e credibilidade

Com a edição da Lei 6729/79, conhecida como a Lei Renato Ferrari (que disciplina as relações entre fabricantes e distribuidores de veículos), as associações de distribuidores de veículos em geral, e em particular a ASSOBENS, assumiram um papel de extrema relevância. E foi aos poucos que os dirigentes da ASSOBENS foram ganhando credibilidade e confiança nas negociações com a Mercedes-Benz do Brasil. A prova do reconhecimento da montadora sobre a importância e utilidade da associação se deu ao firmarem as primeiras convenções da marca Mercedes-Benz. Uma delas regulamentou a venda fora da área demarcada e outra criou o Fundo Estrela, que foram aperfeiçoadas ao longo dos anos.

Assim a ASSOBENS ao longo dos anos vem estreitando cada vez o relacionamento com a Mercedes-Benz, servindo não só de interlocutora dos desejos e necessidades dos concessionários, mas tendo uma postura participativa, consolidando uma relação forte que já dura mais de duas décadas. Estamos cientes que estamos cumprindo fielmente nossa missão, somos uma associação vencedora, foi a nossa contribuição aliada ao esforço da rede de concessionários e a qualidade dos produtos que comercializamos que consolidou a estrela de três pontas, como líder de mercado. Tudo isso tem um só objetivo, aprimorar o negócio da distribuição de veículos Mercedes-Benz, promovendo uma oportunidade para troca de informações, experiências e idéias entre fábrica e rede. Pois, sabemos que todo este esforço resultará em atendiment o cada vez melhor ao nosso cliente.

A história da ASSOBENS foi escrita por pessoas dedicadas e empreendedoras, que abdicaram muitas vezes dos seus próprios negócios e do convívio de suas famílias, em nome da coletividade e do espírito associativo. Se hoje a ASSOBENS é forte, representativa e atuante é graças ao trabalho incansável destes grandes homens. Em cada gestão eles deixaram sua marca e escreveram a nossa história.

  • 1974_anesio
  • No dia 10 de novembro de 1973, Anésio Urbano deu início a uma grande causa: formar uma associação forte e representativa. E, para tanto, o primeiro presidente da chamada ABCMB, Associação Brasileira dos Concessionários Mercedes-Benz, precisaria despertar o espírito associativo entre os representantes de concessionários e da fábrica.A sua gestão foi marcada pela sua atuante posição em promover a igualdade de opiniões e condições entre todos os concessionários. Urbano acredita que enfrentou muitos desafios, e o maior deles foi convencer a direção da Mercedes-Benz de que a associação seria um grande passo em busca do aprimoramento do negócio de distribuição dos veículos Mercedes-Benz.
    • 1974-1975
    • Presidente: Anésio Urbano
    • Secretário: Dorival Pinotti
  • Foi na gestão de José Almeida Nascimento que a associação ganhou força com a aquisição da sede própria, no ilustre bairro do Pacaembu, em São Paulo. Promoveu-se, então, entre os associados, maior conscientização associativa e nova filosofia de organização. Um período áureo de sua gestão, foi quando a produção da fábrica obteve um crescimento de mais de 100% e as vendas, conseqüentemente, também aumentaram. Outra grande conquista foi à realização de seminários e congressos em várias regiões do país, que promoveram a capacitação técnica dos profissionais da rede.
    • 1976-1977
    • Presidente: José Almeida Nascimento
    • Vice-Presidente: José De Nigris Netto
    • Secretário: Bernardo Fedalto
    • Tesoureiro: Pedro Davoli
  • Aumentar a participação do mercado. Este era o maio maior desafio de Bernardo Fedalto. Naquela época, três fatores contribuíram para a conquista do seu objetivo, permitindo um período de ótimas vendas: o trabalho árduo da associação, a competição era tão acirrada e a boa fase econômica do país. A sede própria da associação dava sinal de avanço na relação entre concessionários e fábrica, tornando as reuniões mais independentes. Fedalto conseguia manter um diálogo equilibrado com a diretoria da Mercedes-Benz, estabelecendo contatos apenas com o alto escalão. Segundo o ex-presidente, estes relacionamentos renderam bons resultados para a associação.
    • 1977-1978
    • Presidente:Bernaldo Fedalto
    • Vice-Presidente: José De Nigris Netto
    • Secretário: Eloísio de Carvalho Correia
    • Tesoureiro: Luciano de Castro Affonso
  • Determinado a agregar a associação à categoria econômica, por meio da Abrave, Joaquim Mário Pires Ferreira, realizou um intenso trabalho junto aos associados. Deixou clara a importância de filiar-se à entidade, e conseguiu apoio absoluto. Em sua gestão, foi dada a idéia da formação do Fundo Estrela, uma das grandes conquistas que a rede Mercedes-Benz obteve ao longo da sua existência.
    • 1978-1979
    • Presidente:Joaquim Mário Pires Ferreira
    • Vice-Presidente:Geraldo de Souza Coelho
    • Diretor Secretário: Luciano de Castro Affonso
    • Diretor Tesoureiro: Luiz Ary Radunz
    • Diretor Patrimônio: Elmiro Cardoso Naves
  • No período de sua gestão, as associações de distribuidores de veículos em geral, e em particular a ASSOBENS, assumiram um papel de extrema relevância com a edição da Lei nº 6729/79 (Lei Renato Ferrari), que disciplina as relações entre fabricantes e distribuidores de veículos. Antonio Costa Netto assistiu a implantação do Código Nacional de Ética, assinado por todos os concessionários do país. Formou, então, a primeira Comissão Nacional de Ética. Foram implementadas em sua gestão, reuniões regionais (RS, SP, BA e CE) que contribuíram para levar adiante as informações relevantes do setor.
    • 1979-1980
    • Presidente:Antonio Costa Netto
    • Vice-Presidente:Luiz Ary Radunz
    • Diretor Secretário:Célio Tabith
    • Diretor Tesoureiro:Jurandy G. Siqueira
    • Diretor Patrimônio:Taury Klein
  • Quando Taury Klein assumiu a presidência, a sua primeira atitude foi cobrar o lema União. Ele queria, na verdade, anunciar a sua forma de trabalhar: unindo as forças da rede com as da fábrica. O inicio de sua gestão foi marcado pela grande demanda de caminhões, proporcionada pela política de desenvolvimento do então ministro Delfim Netto. Klein contribuiu para os primeiros estudas da celebração das Convenções da Marca, antes mesmo da definição da 1ª Convenção da Categoria Econômica - exigência da Lei 6729/79. Neste período, importantes reivindicações foram feitas à fábrica, entre elas a criação de um consórcio nacional e a abertura de uma financeira e Companhia de Leasing.
    • 1980-1981
    • Presidente:Taury Klein
    • Vice-Presidente:José de Nigris Netto
    • Diretor Secretário:Segismundo Cerqueira Filho
    • Diretor Tesoureiro:Célio Tabith
    • Diretor Patrimônio:Humberto Ghizzo Bortoluzzi
  • A economia do país passava por momentos críticos quando João da Silva assumiu a presidência. A época de inflação alta obrigou a fábrica a aumentar sucessivamente os preços dos veículos. Restava ao ex-presidente clamar por apoio incondicional para a defesa dos interesses da rede. Com todos estes problemas, os estoque altos passaram a assustar a rede e preocupar, ainda mais, a fábrica. Muitos julgavam o período pior do que crises anteriores, como as de 1963 e 1966. Com muita habilidade, João da Silva conseguiu sustentar a união da rede e as boas relações com a fábrica.
    • 1981-1982
    • Presidente:João da Silva
    • Vice-Presidente:Clóvis Martins Peixoto
    • Diretor Secretário:Eduardo Motta Nardelli
    • Diretor Tesoureiro:Waldemar Verdi Junior
    • Diretor Patrimônio:Leonel Domingos Bertoncello
  • Apesar da difícil fase econômica que o setor enfrentou na década de 80, Oscar Perné do Carmo manteve um forte espírito de liderança, motivando os associados a discutirem mais os problemas pertinentes ao setor. Em sua gestão, procurou agir de maneira cautelosa em relação à Comissão de Ética, que julgava e acatava as reclamações de concessionários e fábrica, principalmente no que se referia às restrições de venda em áreas demarcadas. Procurou, também, manter uma liderança harmônica no relacionamento com a diretoria da Mercedes-Benz, acreditando que, desta forma, a montadora reconheceria, cada vez mais, a importância e utilidade da associação.
    • 1982-1983
    • Presidente:Oscar Perné do Carmo
    • Vice-Presidente:Waldemar Verdi Junior
    • Diretor Secretário:Gerd Haufe
    • Diretor Tesoureiro:Benedito José Martins
    • Diretor Patrimônio:Emerson Vilela de Carvalho
  • Nos dois períodos em que atuou na presidência, Guilherme Rodrigues Ferraz realizou um intenso trabalho para motivar os concessionários a participar das assembléias, alcançando seu objetivo. Foi em sua gestão que se firmaram as primeiras convenções da marca Mercedes-Benz - os acordos coletivos de trabalho. Foi regulamentada a venda fora da área demarcada e a efetiva criação do Fundo Estela. Essas duas convenções consagraram antigas aspirações da rede, que com o tempo, foram sendo aperfeiçoadas e adaptadas.
    • 1983
    • Presidente:Guilherme Rodrigues Ferraz
    • Vice-Presidente:Geraldo de Souza Coelho
    • Diretor Secretário:Bruno P. Zimermann
    • Diretor Tesoureiro: Benedito José Martins
    • Diretor Patrimônio: Raul Souza Francisco
    • 1984
    • Presidente:Guilherme Rodrigues Ferraz
    • Vice-Presidente Administrativo: José Carlos Gomes de Carvalho
    • Vice-Presidente Financeiro:Jovelino Peixoto
    • Diretor Executivo: Armando Reis Peixoto
  • Quando tomou posse, Waldemar Verdi Junior, estabeleceu um plano de ação, o Ação 85, que definia metas e atribuições da nova diretoria. Desta forma, conseguiu atingir os objetivos que almejava. Ele foi responsável pelo inicio de uma reestruturação administrativa, que permitiu mais agilidade na tomada de decisões da associação e criou dois importantes portos em sua gestão: Diretor Executivo de Coordenação das Comissões Técnicas e Diretor Executivo de Apoio a Comissão Nacional de Ética. Em Assembléia Geral Extraordinária, em Brasília, foi criado o Órgão de Recursos da Comissão Nacional de Ética, o que valorizou os procedimentos éticos da associação diante à diretoria da Mercedes-Benz. Em sua gestão teve inicio a informatização da rede, com destaque para a telemática - implantação de cadastro de clientes negativos, banco de dados da rede e programa Bolsa de Trocas, entre outras facilidades proporcionadas pela informática. Primeiros estudos para formação do Fundo de Peças e planos para limpeza de estoques antigos existentes na rede.
    • 1985
    • Presidente:Waldemar Verdi Junior
    • Vice-Presidente Administrativo:Henrique Stefani
    • Vice-Presidente Financeiro:Mauro Saddi
    • Diretor Executivo de Coordenação das Comissões Técnicas: Dr. Rodolfo Borghoff
    • Diretor Executivo de Apoio a Comissão Nacional de Ética: Elias Evangelista Corte
  • A primeira gestão de Paulo Toniolo enfrentou alguns desafios, entre eles o Plano Cruzado. Embora a economia do país tenha passado por fortes mudanças naquele período, foi com muito esforço e determinação que obteve grandes vitórias para a ASSOBENS. Manteve ao longo de seu mandato um diálogo aberto com a diretoria da Mercedes-Benz, sempre em defesa dos interesses dos associados. Junto a órgãos governamentais, pediu ajustes de preços e melhoria de pontos importantes para o setor. Em dois anos, trabalhou bastante para que a rede se estruturasse econômica e financeiramente. Realizou a primeira reunião com gerentes de peças e serviços, a fim de promover a consciência de responsabilidade da marca Mercedes-Benz.
    • 1986
    • Presidente: Paulo Toniolo
    • Vice-Presidente Administrativo: Waldemar Verdi Junior
    • Vice-Presidente Financeiro: Mauro Saddi
    • 1987
    • Presidente: Paulo Toniolo
    • Vice-Presidente Operacional: Dr. Rodolfo Borghoff
    • Vice-Presidente Administrativo/Financeiro: Joaquim Mário P. Ferreira
    • Diretor Coordenador das Comissões Técnica: Armando Reis Peixoto
    • Diretor: Aylmer Chieppe
    • Diretor: Diógenes Almeida Gama
  • Luiz Ary Radunz, participou da implantação de uma assessoria econômica, que trouxe resultados positivos à associação. Contratou a consultoria Raimar Richers para desenvolver estudos e análises de mercado o que levou os profissionais a sugerirem um Plano de Estratégia de Marketing. Em sua gestão foi feita uma proposta a Mercedes-Benz de compra direta de peças de fabricação de terceiros, eliminando, assim, custos intermediários. Com esta ação, os preços chegariam menores ao consumidor. Radunz deu continuidade aos estudos e proposições para a celebração da Convenção da Marca sobre cotas de veículos e vendas direta, áreas demarcada, distancias mínimas e de garantia.
    • 1988
    • Presidente:Luiz Ary Radunz
    • Vice-Presidente Operacional: Antonio de Pádua Arantes
    • Vice-Presidente Administrativo/Financeiro: Mauro Saddi
    • Diretor Coordenador das Comissões Técnica: Luiz Antonio Dal Magro
    • Diretor: Roberto Proença de Macedo
    • Diretor: Taury Klein
  • Com o objetivo de levar mais informação a todos os associados e promover maior integração, nasceu na gestão de Anésio Urbano Junior a Revista ASSOBENS, uma nova forma de comunicação com a rede e os consumidores. Depois de um bom tempo de negociações, foi firmada a Convenção da Marca Mercedes-Benz sobre Distâncias Mínima, Estimativa da Produção e Cotas de Veículos. Tratou-se de um assunto de grande importância para os interesses comuns da rede e da fábrica.
    • 1989/1990
    • Presidente:Anésio Urbano Junior
    • 1º Vice-Presidente: Cláudio de Paiva Abreu
    • 2º Vice-Presidente: Armando Reis Peixoto
  • Nos dois períodos de gestão de Diógenes Almeida Gama, a ASSOBENS se notabilizou na luta judicial contra o regime da substituição tributária no âmbito do ICMS, tendo proposto ações coletivas contra todos os Estados e, durante determinado tempo, carreado a arrecadação do tributo para depósito judicial. Em virtude dessa atitude, os governos estaduais repensaram a oportunidade de tal regime, acabando por revoga-lo. Foi também neste período que a associação ajustou com o Bradesco uma conta corrente garantida em favor da rede. Outro destaque foi à reforma da sede social, incluindo a criação de um auditório pra cursos, conferências e seminários. Na reformulação do Fundo Estrela, passou a existir a bonificação de localização como forma de disciplinara as vendas fora da área demarcada.
    • 1991-1992
    • Presidente: Diógenes Almeida Gama
    • 1º Vice-Presidente: Taury Klein
    • 2º Vice-Presidente: Ricardo Teixeira de Stefani
    • 1993-1994
    • Presidente: Diógenes Almeida Gama
    • 1º Vice-Presidente: Taury Klein
    • 2º Vice-Presidente: Ricardo Teixeira de Stefani
    • Diretor: Mauro Saddi
    • Diretor: Ricardo Cavalcanti Peixoto
  • Visioning and Targeting, este foi o nome dado à primeira reunião de Diretoria na gestão de Mauro Saddi, com os membros de todas as comissões e órgãos associativos. O objetivo era propor novas ações ao setor. Foi implementado um plano de reestruturação da rede que resultou mais adiante na contratação de uma empresa de consultoria, que viria a desenvolver um trabalho de análise das situações econômico-financeiras dos associados que, aos poucos, foi tendo grande participação. Foi o embrião do Projeto Star & Alerta, em sua gestão foi criada a home-page da ASSOBENS, inserindo a associação na internet. Realizou vários trabalhos na área e informática, aprimorando desta forma, os serviços prestados aos associados. A Convenção Nacional ASSOBENS, passou a ter uma área de estandes, o que fez o evento crescer bastante.
    • 1995-1996
    • Presidente: Mauro Saddi
    • 1º Vice-Presidente: Octaviano Marcos de Carvalho
    • 2º Vice-Presidente: Aléxis Jaworski
    • Diretor: Luiz Antonio Dal Magro
    • Diretor: Willian Atallah
  • Seu tenaz e persistente acompanhamento do processo judicial, visando ao levantamento do Finsocial depositado, surtiu efeito, resgatando R$ 34 milhões, imediatamente repassados, na respectiva proporção, aos associados participantes da ação. Propôs a recuperação da parcela do IPI cobrado sobre descontos incondicionais, bem como definiu com a fábrica uma sistemática de recompra da peças encalhadas, que evoluiu para a abertura de uma empresa a Auto Peças Estrela, criada especialmente para promover o saneamento de peças da rede. Iniciou o projeto ASSOBENS na TV em parceria com a TV Rodolink, promoveu uma renovação na revista da associação, fazendo da revista Rede ASSOBENS News um veículo de comunicação com grande qualidade e penetração, não só na rede, mas nos milhares de clientes dos produtos Mercedes-Benz. Em meados do ano de 2000, promoveu uma mudança estatutária adequando e reduzindo os Distritos da ASSOBENS e criando o Conselho Consultivo. Conduziu também a profissionalização da associação, pratica pouco comum em nosso setor. A partir de então a ASSOBENS passou a ter um Presidente Executivo.
    • 1997-2000 (Junho)
    • Presidente: Willian Atallah
    • 1º Vice-Presidente: Mauro Saddi
    • 2º Vice-Presidente: Aléxis Jaworski
    • Diretor: Riguel Chieppe
    • Diretor: Wilmar Della Rocca Junior